quarta-feira, 28 de março de 2012

[Era uma vez uma historia de Amor]

...e de repente de onde nem uma pedra conseguia fincar
Surge um coração, uma flor, um sentimento,
Surge o Amor.

Este tal de amor, forte que nem ele
Espalhou-se corpo abaixo
E não tinha quem o tirasse desse lugar

Ele circulava calmamente entre todos os elementos desse corpo,
Cada pequeno seguimento tinha uma veia onde circulava Amor.

Era tanta veia de Amor,
Que o sangue subiu e se enraivou,
Quis ate ir embora de la.

Eu sei que no inicio foi motivo de protesto,
Mas o Amor alem de tudo era pacifico e modesto
Fez ate amizade com os inimigos e os céticos
E depois haja vinho pra celebrar!

Era uma verdadeira peste,
Pronde você virasse tinha festas e confetes
Com direito a balões e charretes
Praqueles que decidiam se amar

Declaração era o que não faltava,
O Amor fez ate caminhadas,
Com musicas e serenatas
Para mais um que quisesse o Amor encontrar

Mas a grande novidade
Foram os Glóbulos Brancos e Vermelhos
Que dedicaram sua existência ao Amor

O Amor encabulado, mas agradecido
Fez uma surpresa em sigilo
Para os dois por fim, se casar!

Foi uma verdadeira revolução,
Ate a Dor disse que tudo passou,
Logo depois do Amor encontrar.

O mais bonito de tudo era a cor do Amor,
Era uma cor tão forte,
Que ate um cego enxergava,
Mesmo sem conseguir olhar!

O grande mistério era de onde veio este tal de Amor,
Que estranhamente chegou
E mudou tudo num piscar

Só podia ser de outro Ser, outro corpo
Que tinha Amor,
E decidiu então compartilhar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário